Ou em português bem claro: responde se vai, porra!

Olha, podem me chamar de pentelha, de velha, de antiquada, do que quiserem, mas eu sou daquelas que ainda preza pela boa educação e algumas noções de etiqueta.

A primeira grande dor de cabeça com o tal do RSVP – acrônimo para Répondez S’il Vous Plaît , que significa responda, por favor – foi no nosso casamento. A cerimonialista insistiu na tal “confirmação de presença ativa”, em que ela mesma entraria em contato com os convidados “esquecidinhos” e nós resistimos um pouco, mas com o passar dos dias e o baixíssimo número de respostas, tivemos que ceder. Até e-mail pra isso nós criamos (querendo facilitar a vida de quem não curte um telefone). Não é por chatice, é somente porque é impossível planejar um evento pra um grande número de pessoas, onde se gasta uma grana razoável, e não saber se vai sobrar ou faltar alguma coisa… Seria muito bom se todo mundo tivesse um pouco de bom senso pra pensar nisso.

O que pouca gente sabe é que, mesmo que você não vá ao evento, é de bom tom responder ao convite mesmo assim. Desse jeito fica bem mais claro pra quem está organizando tudo.

Agora estamos fazendo um jantarzinho pra comemorar o aniver do marido. Vamos fazer aqui mesmo no salão de festas do prédio, não são tantas pessoas quanto numa recepção de casamento, mas o suficiente pra gente se preocupar em encomendar comida, comprar bebidas, alugar mesas e utensílios… então pedimos a confirmação de presença. Sofrimento. O jeito foi calcular no chutômetro e bom, torcer pra dar certo. E estamos falando de familiares e amigos mais chegados…

Bom, fica a dica: se receber algum convite solicitando RSVP, ou a confirmação de presença, deixa de ser preguiçoso e responde, pô!

Um dia, ah, um dia… vai ser com você! Aí não vale reclamar. 😉