Um dia antes das férias eu cismei que tinha que cortar o cabelo. Na verdade, dar só uma aparadinha básica, já que era um cabelereiro desconhecido. Tudo porque a penúltima experiência com um cabelereiro novo me deixou deveras traumatizada e eu ainda achava que meu cabelo tinha que crescer bastante pra conseguir voltar ao meu normal… o último corte foi uma tentativa de minimizar os estragos, mas deixou meu cabelo mais curto do que eu gosto. Mas divago. Lá fui eu, lindona, cortar o cabelo! Gostei do fato do moço querer olhar o meu cabelo do jeito que tava, seco, antes de mandar lavar. Ele fez várias perguntas interessantes, mais pontos pra ele. Aí o bicho pegou quando ele mandou a famosa frase: "mas você tem bastante cabelo, acho que dá pra tirar esse volume…". Explico: o penúltimo falou a mesma coisa e o que ele fez? Repicou tudo, fiquei com mechas de pelo menos uns trinta tamanhos diferentes, uma zona. E sim, eu tenho muito cabelo, mas os fios são finos e, consequentemente, precisam de mais disciplina pra ficarem bonitinhos, coisa que não combina com cabelo repicado. Então eu respondi que sim, o volume era aquilo mesmo e eu não queria cabelo repicado.

Você ouviu?
Ele, certamente não.

Resultado final: cabelos lindamente cortados em mil camadas. Quase chorei. Mas fui forte. Ele escovou e ficou lindo, lógico. Havia esperança.

Primeiro dia de viagem, eu lá feliz da vida em NY, bóra tomar banho e lavar as madeixas. DESASTRE. Meu cabelo secou e fiquei parecendo uma louca. A mãe do Rei Leão. Quer dizer, no causo, o próprio Rei Leão, já que as leoas não possuem juba. Obrigada, moço, todo o volume foi parar no topo da cabeça, realmente muito melhor, era disso que eu precisava. NOT!

Tentei amenizar com o secador do hotel (que não sei se vcs sabem, mas tem uma potência ridícula e não servem pra nada), mas desisti. O jeito foi passar uma semana com os cabelos bem presos em rabo de cavalo (e fivelinhas segurando a franja que ficou minúscula). Sorte que lá estava um calor dos infernos e mesmo com o meu cabelo "normal" seria assim, rabo de cavalo everyday. Mas né, a falta de opções me aflige. Muito. Preciso dizer que xinguei muito o cabelereiro e toda a catchiguria de coiffeurs que simplesmente ignoram o que suas clientes dizem?

Mas acabei esquecendo disso, afinal NY é muito mais importante do que meu cabelo!

Já de volta, lavei e resolvi secar meu cabelo apropriadamente, com minha escovinha boa e meu secador querido. Já conformada que ia ter que continuar no rabo de cavalo até ele crescer mais. E 10 minutos depois eu havia conseguido o que parecia impossível: sequei o cabelo e consegui deixá-lo comportado! O melhor de tudo: adorei o jeito que ele ficou. Pronto, estou em paz novamente! O danado do corte ficou mesmo bom, gente.

Se eu vou perdoar o cabelereiro? Talvez… Porque ainda me incomoda o fato de ele ter ignorado o meu pedido e agora voltei a ser escrava do secador de cabelo… Mas pessoa evoluida que sou, já penso em dar a ele uma segunda chance.